Adesivo Contracetivo

1O que é?

É um método contracetivo que consiste num adesivo pequeno e fino que se coloca sobre a pele e que liberta dois tipos de hormonas – um estrogénio e um progestativo – semelhantes às produzidas naturalmente no corpo da mulher. Este deve ser aplicado sobre a pele limpa, seca, sem pêlos, saudável e intacta, em zonas como a nádega, o abdómen, a região externa do braço ou a parte superior do tronco. É importante que seja um local que não seja friccionado por roupa apertada. 1

Para aplicar, deves pressionar a totalidade do adesivo durante 10 segundos e, de seguida, passar o dedo sobre as bordas para confirmar que estão bem coladas.1

2Qual o seu perfil de eficácia?

Com uma utilização perfeita, ou seja, utilizando este método contracetivo exatamente de acordo com as instruções de uso, o adesivo demonstrou efetividade elevada e apenas 0,3 em cada 100 mulheres tiveram uma gravidez não desejada durante o primeiro ano. No entanto, em utilização típica, que é como as mulheres costumam usar (inclui a utilização inconsistente e/ou incorreta), 9 em cada 100 mulheres tiveram uma gravidez não desejada durante o primeiro ano.2

  • Uso perfeito: 99,7%
  • Uso típico: 91%

Deves ter em atenção que a efetividade do adesivo pode ser reduzida se tomares alguns medicamentos ou ervas medicinais ou não cumpras o esquema de utilização do mesmo.3 

3Como se utiliza?

O esquema de administração do adesivo consiste em utilizar este método num total de 3 semanas (21 dias), substituindo por um novo adesivo a cada 7 dias e depois fazer uma semana de pausa, sem adesivo. Na semana de pausa irás ter uma hemorragia parecida com a tua menstruação – a hemorragia de privação. Independentemente de a hemorragia de privação ter terminado ou não, deverás colocar um novo adesivo no dia de semana correspondente.1 

Ou seja, imagina que começaste a utilizar o adesivo numa 2ª feira (da semana 1). Este é o dia que tens de memorizar. Nas duas 2ª feiras seguintes (da semana 2 e semana 3) deves trocar o adesivo por um novo aproximadamente à mesma hora que colocaste o primeiro. Já na 2ª feira da semana seguinte (semana 4), deves retirar o adesivo e iniciar uma semana de pausa, sem adesivo. Passada essa semana, na 2ª feira seguinte, voltas a colocar o adesivo e reinicias o esquema anterior.1 

Quando fores trocar o adesivo, antes de mais, confirma que tens um adesivo novo para colocar antes de retirar o anterior e cola o novo num local ligeiramente diferente de onde estava o anterior para evitar irritação da pele.1 

4Será este o método adequado para ti?

Este método poderá estar indicado para ti se:1,3

  • Pretendes um método reversível e de administração semanal.
  • Pretendes um método dependente de ti e com menor probabilidade de esquecimento.
  • Pretendes um método que não interfira com as relações sexuais.
  • Pretendes um método cuja ação não seja comprometida caso tenhas vómitos ou diarreia.

5Pode ser usado durante a amamentação?

A utilização de métodos contracetivos com estrogénios no pós-parto com amamentação é desaconselhada até aos 6 meses após o parto. Tal acontece, porque estudos demonstram resultados contraditórios relativamente ao desenvolvimento de crianças expostas a estrogénios durante a amamentação.1,3

6Quem não pode usar o adesivo?

Não poderás usar este método se:1

  • Estás ou suspeitas que estás grávida.
  • Estás a amamentar.
  • És fumadora (> 15 cigarros dia) e tiveres 35 anos ou mais.
  • Sofres de hipertensão não controlada.
  • És diabética com alterações vasculares (rins, olhos ou sistema nervoso).
  • És portadora de alguma neoplasia maligna sensível às hormonas sexuais, por exemplo carcinoma da mama ou meningioma.
  • Tens risco ou antecedentes de doença tromboembólica (enfarte, AVC, doença coronária).
  • Tens ou tiveste algum tumor no fígado (benigno ou maligno) ou doença de fígado grave.
  • Tens uma hemorragia vaginal cuja causa seja desconhecida.
  • Sofres de enxaqueca com aura.
  • Sofres de Lupus Eritmatoso Sistemico (LES).
  • Tens obesidade.

7Proteção contra IST

Este método não protege contra infeções sexualmente transmissíveis (IST).1

Referências:

  1. Reproductive, World Health Organization Department of Sexual and, and Health and Research (WHO/SRH) and Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/. A Global Handbook for Providers (2022 Update). Baltimore and Geneva: CCP and WHO: Center for Communication Programs (CCP), Knowledge SUCCESS. Family Planning: 2022.
  2. Trussell. J., “Contraceptive Failure in the United States.” Contraception, no. 83(5) (May 2011): 397-404.
  3. Sociedade Portuguesa da Contraceção, Sociedade Portuguesa de Ginecologia e Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução. Consenso Sobre Contraceção. 2020.

PT-NON-110051 04/2024