Esterilização feminina

1O que é?

A esterilização feminina é um método contracetivo irreversível e que implica uma intervenção cirúrgica.

A esterilização feminina consiste na oclusão das trompas de Falópio, que é realizada por corte, selagem ou bloqueio.

Com este método, 0,5 em cada 100 mulheres apresentam uma gravidez não desejada durante o primeiro ano.

2Como se utiliza?

Existem várias formas de bloquear as trompas de Falópio: laqueação, corte e eliminação de uma parte pequena da trompa, selagem ou aplicação de clipes ou anéis.

Existem dois métodos principais para alcançar as trompas de Falópio:

  • Laparoscopia: Implica a inserção, através de uma pequena incisão no abdómen, de um tubo fino e longo, com lentes. Permite que o médico alcance e bloqueie ou corte as trompas de Falópio no abdómen.
  • Minilaparotomia: Implica fazer uma pequena incisão no abdómen. As trompas de Falópio são aproximadas da incisão para serem cortadas ou bloqueadas.

Os óvulos libertados pelos ovários não se podem deslocar pelas trompas e não se estabelece o contacto com o esperma.

3Será este o método adequado para si?

Pode interessar-lhe se:

  • Desejar um contracetivo cirúrgico permanente, com base numa decisão ponderada de que não quer ter (mais) filhos.
  • Não quiser voltar a ter de se preocupar com uma potencial gravidez não desejada ou com a toma de contracetivos.

Tenha cuidado:

  • Se tiver relações sexuais não protegidas nos primeiros três meses após a intervenção, já que é o tempo necessário para que a esterilização seja eficaz, de acordo com o método utilizado incorre o risco de uma gravidez não planeada. Neste período, deverá usar um método contracetivo adicional.
  • Se, após a cirurgia, se desenvolver uma infeção ou abcessos no local da incisão, um risco frequente neste tipo de cirurgia.
  • Caso engravide por falha da esterilização, existe um aumento ligeiro do risco de gravidez ectópica (quando se desenvolve fora do útero, normalmente na trompa de Falópio).
  • Não a protege contra infeções sexualmente transmissíveis (IST), incluindo inclusive contra o VIH/SIDA.

Referências:

  • Trussell J. Contraceptive failure in the United States. Contraception. 2011 May 1;83(5):397-404.
  • World Health Organization Department of Reproductive Health and Research (WHO/RHR) and Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/Center for Communication Programs (CCP), Knowledge for Health Project. Family Planning: A Global Handbook for Providers (2018 update). Baltimore and Geneva: CCP and WHO, 2018.
  • The Family Planning Association (FPA). Your Guide to Male and Female Sterilisation. 2018. Disponível em Your Guide to Male and Female Sterilisation – FPA (acedido a 20/05/2021)

PT-NON-110058 07/2021